domingo, 31 de março de 2013

Mensagem Numa Garrafa

Fuxicando meus arquivos de blogs e diários, notei uma tendência a escrever bastante no fim e/ou início do ano. Os dois extremos são épocas geralmente complicadas: no início estou nervosa em vista de tudo o que tenho a fazer, no fim estou exausta e já antecipando mais exaustão para o novo ano. Infelizmente, estou no momento da ansiedade pelas mil coisas a fazer.

Uma coisa que está ajudando 2013 a ser menos pesado é me livrar de tudo o que me machucou em 2012. São coisas e pessoas que, pesando numa balança (e eu realmente peso antes de agir), me faziam mais mal do que bem. Relações desgastadas, que não teriam mais como ser remendadas de modo algum. Talvez até tivesse como consertar, mas quando o trabalho não parece valer a pena, você sabe que a amizade acabou.

Acho que ontem, com um ato relativamente simbólico, terminei uma amizade. Ou melhor, uma possível amizade. Sabem aquela pessoa que você olha de cara e se identifica? Foi assim que me senti no nosso primeiro contato. Parecia que eu teria ótimas conversas, trocas de ideias e riria muito com ela. Com o passar do tempo, isso foi acontecendo. Mas aí, veio tanta coisa no meio...outras pessoas, brigas com essas pessoas, muito choro. E foi quando notei que eu e minha quase-amiga discordávamos em muitos pontos, pontos estes que afetam relacionamentos. Quando discordo de ideias religiosas de uma amiga, por exemplo, isso não influencia em muita coisa. Já discordar de como se deve agir, como se deve ser ético e como se deve tratar o outro são fatores pesados demais para uma amizade inicial aguentar. A nossa não aguentou.


Durante um tempo, tentei ignorar a certeza de que aquela amizade não daria certo. Vinham todas as provas da furada que seria aquilo, mas eu estava tão apegada ao que poderia ser que tapava os ouvidos, fechava os olhos e cantava "lálálálálá" até tudo passar. Mas chega uma hora em que a gente tem que finalizar os ciclos. Essa pessoa cortou o último laço que nos prendia e, sinceramente, achei muito digno e corajoso de sua parte. Não consegui nem sentir raiva. Eu fui covarde e me fingia de cega para não ter que fazer isso, porque sempre dói cortar um laço. Sinto o afastamento de gente que só me fez mal, imagina se não seria assim com alguém com quem nem briguei? Mas é tudo parte da vida e, surpreendentemente, estou lidando melhor com esses eventos. Serão os 21 anos?

Mesmo sabendo que foi melhor assim, eu gosto de me despedir direito das pessoas. Só que (demorou, mas) já entendi que as pessoas não gostam muito de discursos de fim de amizade. Uma pena, porque eu acho bonito dar um adeus final, falar do que foi bom, essas coisas. Já entendi que seria altamente esquisito chamar a pessoa para fazer isto, até porque acho que ela se sentiria muito magoada. Foi aí que lembrei daquele filme, Uma Carta de Amor. Nunca assisti, mas pelo que vi nos comerciais do SBT, um cara joga uma daquelas mensagens dentro de garrafas ao mar e uma moça a encontra. Como acho que a pessoa não tem acesso ao meu blog pessoal — não tenho mais certeza de nada na internet depois de tudo que vivi ano passado —, a carta a seguir vai ser como uma dessas mensagens. Vou jogá-la no mar que é a internet e talvez ela chegue a alguém que não é a pessoa, mas que vai ler a mensagem e pensar nela de alguma forma. Sim, isto está tocando na minha mente sem interrupção.

Minha doce ex-quase-amiga (estou brega²)

Sinto muito por as coisas não terem dado certo entre nós. Eu sei que poderia ter feito mais para evitar que chegasse um momento assim, de escrever uma carta à distância, mas realmente não dava mais. Para ficar perto de você, eu também teria que ficar perto de ideias, ações e pessoas que me causam muita dor. Eu não quero mais sofrer por coisas que posso controlar, então você foi uma das coisas boas que perdi nesse processo de tirar da minha vida o que me faz mal.

Você é uma pessoa fantástica. Meio confusa, sensível até demais, mas fantástica. Eu gosto da sua energia, da sua enorme disposição em rir da própria dor e do seu esforço para transformar seus sonhos em realidade. Você é uma moça muito determinada, isto é claro. Também noto certa ingenuidade, uma falta de cuidado que a faz ficar muito exposta emocionalmente. Tome cuidado com isso. Todos temos coisas boas e ruins dentro de nós, faz parte de ser humano. Minha impressão é que quando você expõe o que há de ruim em você, muitos se aproximam demonstrando amor e jogando flores, então você fica presa àquilo. Na minha pouca experiência de vida, me fizeram bem os amigos que me apoiaram nos bons e maus momentos, mas que deixaram bem claro quando eu estava sendo uma bela de uma cuzona e que aquilo não era legal. Abra seu coração para quem acolhe o pior de você, não quem o estimula.

Já me disseram que sou presunçosa mais de uma vez, e devo ser mesmo. Você não tem que concordar com nada do que eu disse, até porque eu a conheci pouco e nem chegamos à amizade mesmo. Mas em algum momento e em algum lugar, eu precisava escrever tudo o que disse no parágrafo anterior. Não quero magoar você, nunca quis. Se o fiz, não foi intencional e peço desculpas por isso.

Você tem mais potencial do que percebe, e até mesmo do que os outros enxergam. Tente não deixar isso se perder. Explorando coisas novas, você não vai afastar quem já gosta de você pelo que faz. Muito provavelmente, vai é encantar mais gente ainda e expandir seu círculo de amizades. Não deixe o público ditar seus passos, deixe a sua criatividade falar mais alto. Foi ela que trouxe você até nós. É ela que vai levá-la até todos os lugares onde você pode ir. E, acredite, você pode ir muito longe.

Cuide da sua saúde, pois sempre me pareceu que a senhorita a deixava de lado nas madrugadas cheias de trabalho. Dê mais espaço aos outros, às vezes você é invasiva e não dá para saber se está brincando ou não (é meio assustador, confesso). Não deixe sair impune ninguém que lhe machuque aberta e voluntariamente, porque não é justo receber isso quando não se faz. Saia mais, corra pelos campos, dance e pule por aí (essa dica também vale para mim). Sei que você já se ama mais do que antigamente, mas ainda falta muito para você se dar o amor que alguém como você merece. (Se) Ame mais. Seja feliz pra caramba.

Nossa amizade não deu certo, mas realmente lhe desejo tudo de mais bonito, doce, colorido e brilhante que a vida possa oferecer. Não pudemos compartilhar isso juntas, então faça-o com outras pessoas. Dê à elas todos os sorrisos mais alegres e sinceros do mundo. E desculpa pela breguice, é que eu fico assim falando dos outros.

Ontem li um tweet de uma moça falando que encontrou num show duas pessoas queridas que não faziam mais parte de sua vida, mas que olhou para ambas, à distância, e desejou coisas boas. Acho que o tweet não foi nada disso e eu o interpretei assim, mas o ponto é: sempre que eu olhar para você de longe, vou querer que seja feliz. Sentir isso é o lado bom de a gente ter parado antes de nos magoarmos mutuamente.

Como eu dizia antigamente aqui na internet, abraços com felicidades para você. Adeus,

Carol

Nenhum comentário: