segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Querer,não querer...o quê?

Já falei alguma vez que este mundo tenta nos detruir?Não o mundo, mas a humanidade.Termino agora meu primeiro ano na faculdade com a sensação de que os professores se uniram em uma seita secreta que visa deixar as pessoas exaustas e sem a menor vontade de tentarem se divertir.Poxa, qualquer ser que me faça ter preguiça de ouvir Beatles provavelmente tem planos para destruir o mundo.

Agora sou estagiária, o que quer dizer que tenho moral.Eu e a Flávia(pessoa com a qual ando) estagiamos em um pré-vestibular comunitário de Niterói, foi a Laisa que nos chamou para ajudar lá.Sabe o que significa?Psicologia e contribuição social.Sim, meu sonho de consumo.E dá trabalho, gente.O pré está em fase de admissão de alunos, e vários testes são aplicados.Andar por lá me deu uma saudade do meu pré...meus professores engraçados, a constante sensação de que estávamos tentando melhorar de vida, toda aquela vontade de mudar mostrar a si e ao mundo do que você é capaz.As pessoas que fazem parte da equipe de um pré vestibular são muito especiais.Lembro de sentir carinho por todos no meu Aliança...os porteiros,as pessoas da secretaria, os professores.Eles não precisavam estar ali, sua única recompensa era o nosso sucesso.E sentir aquelas pessoas se preocupando comigo me dava uma sensação boa, sabe?Sentia que podia fazer a diferença, e este sentimento veio numa época em que eu estava começando a desacreditar um pouco em mim.Fico pensando...será que vou dar este sentimento bom para alguém?Será que quando algum vestibulando estiver em casa sentindo que nada vale a pena, vai lembrar de mim(como já lembrei até do coordenador do meu pré) e sentir que pode ir em frente porque alguém confia no potencial que ele tem?Raios, eu queria tanto fazer bem pra alguém.

E tudo isso leva minha mente para a minha(quantos "minhas",não?) oposição mental/sentimental de alguns anos: quero passar despercebida ao mesmo tempo em que quero ser especial.Apesar da desilusão em relação ao mundo que vive batendo em minha porta, há as horas(como agora) em que volta aquela pessoa de sempre-que tão bem conheço- pronta para salvar o mundo.Aconteceu uma situação de salvar o mundo um dia desses.Estava assistindo ao Rang De Basanti, um filme indiano sobre seu inconformismo com a injustiça chegar ao limite.Estava começando a ficar mexida com aquela história toda, apesar de já ter assistido ao filme antes.Aí teve uma hora em que não aguentei:dei pausa e comecei a chorar...porque eu sei que não posso ficar parada e feliz igual a todos, porque estou cansada de tanta bobagem ao meu redor,porque leio uma notícia de injustiça e não me sinto apenas triste-mas sinto o sangue ferver.E ferve muito.Fica aquela luta infernal entre a pessoa que necessita fazer algo e a que só quer ficar sentada sem preocupações.INFERNO, INFERNO, INFERNO!Eu queria me contentar em só fazer as coisas por mim, JURO.Mas não, eu quero ver as pessoas felizes...ao mesmo tempo em que não me importo com como elas estão.Eu não entendo, quem lê não entende...o que está acontecendo?

Não quero mais viver profundamente como em Bollywood.Sei lá o que eu quero...se é que eu quero...mas eu acho que quero...o quê, meu Deus?Está difícil viver com essa cabeça a ponto de explodir.

É, chega por hoje.

Destoando totalmente do resto: estava ouvindo a música abaixo quando comecei a escrever.



3 comentários:

Flávia C. disse...

Juro que não consigo me acostumar com meu nome e a palavra "estagiária" numa mesma frase.
Algo me diz que pensávamos sobre coisas muito parecidas quando fomos postar hoje...

Laura disse...

Peraí...então você quer..salvar o mundo e passar despercebida?

Carol, eu acho que só o pensamento "eu deveria mudar alguma coisa!" já é um bom comeco! sabe o que eu acho? vc ainda vai mudar o mundo! o/

Carol disse...

Flávia, a gente estava era um saco nessas semanas.Tristeza de fim de ano, desilusão com a vida e com a Psicologia UFRJ.Acho que Deus mandou a Fátima para salvar nossas vidas.Acostume-se com essa coisa de estagiária, porque eu ainda não me acostumei e uma de nós precisa estar com os pés no chão :D

Laura, acho que é por aí.Quero que me percebam às vezes, enquanto em outras quero que ninguém me olhe.O problema é quando quero as duas coisas ao mesmo tempo.Minha cabeça está confusa, achei que tudo ficasse claro aos 18 anos! .-.

Que lindo que você ache que eu vá mudar o mundo, porque vou precisar de você *-*