quinta-feira, 28 de junho de 2012

Carolzita no fabuloso mundo do papel contact

Ontem chegou pelo correio um livro que queria já há uns dois anos. Abri o pacote e ele estava lindo, cheiroso, novo em folha. Só que a capa é mole e fiquei preocupada: como conservá-lo? Tive medo de que acontecesse o mesmo com uns livros da Penguin que venho comprando. São mais baratos, mas a capa é tão frágil que é isto o que acontece:


Isto me incomoda muito, e olha que sou das pessoas menos preocupadas com livros "bonitos". Se alguém devolve um livro meu com uma orelha ou outra , alguns amassadinhos e desculpas, nem esquento a cabeça. Digo isso porque já vi gente chorando quando viu que seus livros estavam com amassados (esta é a palavra?) mínimos, estando o conteúdo das páginas em perfeito estado. Minha questão é que os livros durem o máximo possível, e capas caindo não fazem parte deste cenário. 

Querendo proteger meu novo filho livro, lembrei que a bibliotecária da minha escola sempre encapava os livros da biblioteca com um plástico transparente, que uma amiga me disse se chamar papel contact. A bibliotecária sempre encapava de um modo que fazia o livro ficar com uma ponta dura que invariavelmente me arranhava, mas funcionava. O livro durava. Então, fui na lojinha ali de baixo e comprei muuuito papel contact para encapar o livro novo e todos os outros que precisassem de proteção.

Acho que nunca comentei aqui sobre o quanto sou horrível com trabalhos manuais. Toda a matéria-prima do mundo agradece aos céus por eu não tentar fazer artesanato, mas o papel contact não teve tanta sorte e cismei que queria encapar o livro sozinha. Minha mãe quis que eu deixasse a função com a minha avó - que é ótima nessas coisas -, mas um senso de independência que não me vem para trabalhos domésticos tomou conta do meu ser. Eu ia encapar aquilo e ia arrasar!

Claro que olhei para o papel contact e não tive ideia do que fazer. Minha mãe também não sabe fazer isso e tive que pedir ajuda ao amigo de todos, sempre presente: Youtube. Encontrei este vídeo de uma mulher maravilhosa, generosa e salvadora de dinheiro investido em papel contact. Sofri bastante com a parte de cortar o papel sem encostar no plástico, e a dificuldade foi aumentada por ter feito o trabalho na bandeja do teclado, em vez de na mesa da sala. Ainda assim, consegui! É claro que não ficou perfeito e lisinho, mas eu só queria meu livro protegido mesmo.


Na foto seguinte não dá para ver quase diferença nenhuma e não coloquei o livro na mesma posição porque a foto de antes foi tirada ontem, quando eu não tinha pensado em escrever sobre este assunto tão importante.


A moral do dia é: não há papel contact que derrube a força de vontade.


2 comentários:

*Klopper, Priscila* disse...

Os teus posts são escrotamente incríveis, Carolyne! xD~
AHAHAHHA
Que coisa tosca .-.
Adoro xD

Isa disse...

Saber manusear papel contact é uma vitória!

Lembro do meu fundamental, eu encapava tudo com contact. É terapia, cara!