sexta-feira, 8 de maio de 2009

JB na minha história

Em 2007,decidi que começaria a ler jornal.Mais precisamente,segundo relatado em meu diário,em 15 de junho de 2007 comprei meu primeiro.Havia dois motivos para o novo hábito:eu queria ser inteligente e passar no vestibular.

Aqui no Rio,há muitos jornais "populares" que são horrendos.Quando eu lia algum deles,procurava sempre minha parte favorita:o caderno internacional.Eu viajava naquelas notícias sobre os E.U.A,a minha Londres(o resto da Inglaterra não era tão legal em notícias),o Vaticano...tudo era uma festa.O chato é que era uma festa bem pequena,porque a parte internacional daquelas jornais é mínima.Não era com eles que eu passaria no vestibular.

Eu já tinha feito minha escolha:compraria o Jornal do Brasil,o famoso JB.Ele sempre estava lá em casa(o ex da minha mãe ganhava todos os dias no trabalho) antigamente,e eu gostava bastante,apesar de ser nova quando a ele tinha acesso.Ainda assim,lembrava que era um jornal de qualidade.Fui na banca,comprei e fui feliz.

Depois de comprá-lo,comecei a ficar um tanto crítica.Sabe aquela história de ver o mundo com outros olhos?Foi o que aconteceu.Na vida,sempre temos nossos "ídolos",aquelas pessoas que desejamos conhecer e de quem somos fãs.Comecei a ser fã de colunistas.Muito fã!Juntamente com John,Paul,George e Ringo,outros nomes eram citados constantemente por mim:Augusto Nunes,Mauro Santayana e o maluco do Olavo de Carvalho,que parecia ter mania de perseguição.

Toda a minha felicidade era esperar que quarta-feira chegasse,para ler a coluna do Augusto Nunes.Eu chamava o indivíduo de Guto(coisa de adolescente)!O Augusto escrevia de uma maneira muito simples,eu conseguia entender tudo.Era por isso que eu não suportava a coluna do Mauro Santayana-ele escrevia de uma maneira mais difícil.O Augusto era tão combativo,tão inteligente e forte!Foi amor à primeira leitura.

Tive muita sorte por sempre ter sido uma pessoa crítica e reservada,porque é extremamente fácil deixar que os pontos de vista dos colunistas passem a ser os seus.Isto até aconteceu um pouco no início,com as colunas do Augusto e principalmente com a do Olavo de Carvalho.Por causa do Olavo,eu estava muito direitista e reclamona.Depois de algum tempo,vi que estava apenas repetindo tudo o que ele escrevia,e parei com isto.Foi depois dessa experiência que passei a dar uma forte recomendação a jovens que começam a ler jornais:por algum tempo,leiam somente as notícias e reflitam sobre elas.Depois sim,leiam o que os colunistas escrevem.Deu certo comigo,deixei de ser um papagaio.

Quando as notícias já faziam todo o sentido para mim,comecei a amar Mauro Santayana.Lembro de um dia chorar lendo sua coluna,só não lembro sobre o que falava.Os textos eram perfeitos!Ele escrevia exatamente como sempre sonhei escrever:com muita clareza,firmeza em cada linha e principalmente:com uma coesão impressionante!Sabe aquele texto que é totalmente ligado do início ao fim,mesmo que passe por inúmeros assuntos?É o tipo do Santayana.Não eram só textos,eram obras.Eu deveria ter emoldurado os textos daquele homem.Não há como explicar aqui,mas influenciaram muito meu modo de pensar.Grande Mauro!

Em 2008,na primeira prova da UERJ,a prova de Geografia era quase toda sobre atualidades.Eu sabia tudo.Tudo,tudo,tudo.Foi quando percebi o quanto valeu a pena passar tanto tempo com o meu querido JB.Saí quase dançando do local de prova!Nas outras provas discursivas que fiz,tudo o que aprendi somente lendo jornal também me ajudou.Eu conseguia me expressar melhor,não era mais tão difícil escrever sobre assuntos mais "sérios".

Pelos meus padrões,não consegui ficar mais inteligente,mas passei no vestibular(oba!).Postei sobre o JB porque estou morrendo de saudades de lê-lo!Seu preço aumentou,o que é péssimo(deve ser coisa da crise),mas não consigo lê-lo por falta de tempo.Já está comprovado que não sei mesmo organizar meu tempo,e desde que comecei a faculdade a situação piorou(na segunda há prova de Embriologia e não sei de quase nada).Comprei o jornal três vezes desde o início do período,e em duas vezes não pude ler quase nada.Estou ficando triste,sinto muita falta do JB.Na verdade,sinto falta de notícias...só soube que Clodovil havia morrido quando estava no ônibus,voltando para casa.Isso não é vidaaaaaaaa!Quero meu jornal,meus colunistas,meus quadrinhos(muita saudade de Os Malvados).É difícil,como é difícil.

Mas...ninguém disse que seria fácil.Já foi uma preparação.



Ainda morro de rir! :D

6 comentários:

Laura disse...

Nossa, que paixão por jornais!

Há dois anos, quando eu morava no Brasil, nunca me interessei por eles. Qualé? Eu não entendia metade dos textos! Quando me mudei pra cá, ficou ainda mais dificil se aproximar de algum jornal. Em alemão! Aja paciência!

Na escola estamos estudando sobre jornais, então, ando lendo algumas manchetes. Mas mesmo assim... Bom, um dia eu sigo o seu exemplo, Carol!

Flávia C. disse...

"só soube que Clodovil havia morrido quando estava no ônibus,voltando para casa.Isso não é vidaaaaaaaa"
E quando o greenpeace fez o manifesto na ponte e só descobri dois dias depois?
Isso não é vidaaaaaaa[2]

Nina disse...

Eu acho tao bacana isso de uma menininha gostar de ler jornal :)

vc foi a primeira que vi carol,sabia???
acho que rola preconceito contra os jornais, vc nao acha???

Bjs menina!

Luene® disse...

OLá grande Cá...(quantas qualidades tão cabendo em voce hein??fico XD feliz!!)

Passadinha express (lan house), deixando varios beijinhos com sabor de saudade!!!

Fica com Deus! adoro voce!!
Se cuida...

NanakiNanakiiiiiii disse...

Você já leu o New Yorker(http://www.newyorker.com)?
O bom e velho JB é inspirado nele.

Carlinha disse...

Tem alguém aqui?